Brincadeiras - 24 meses



Nesta fase, já se entretêm sozinhos mas ainda não por períodos muito longos.
Abandonam os objectos para mais tarde voltarem a eles novamente, daí que seja importante não haver excesso de brinquedos senão a dispersão será maior.

Até aos 2 anos e meio não têm facilidade em emprestar os brinquedos, sendo característico desta fase (não se angustie). Também por volta desta idade, verifica-se um acréscimo de energia que se traduz em brincadeiras que podem ser consideradas violentas pelos adultos (a criança pode destruir os brinquedos/parti-los, ainda que seja por mera curiosidade ou mesmo por um impulso).
Este excesso de acção deverá dirigir-se para outras actividades lúdicas.

Por exemplo:
• Regar as flores (em casa ou no exterior).
• Amachucar revistas velhas.
• Empilhar caixas.
• Colher flores no campo (imitar o comportamento dos adultos).
• Brincar "às escondidas".

Verifica-se simultaneamente uma necessidade criativa e deve-se abrir espaço para que esta necessidade se possa desenvolver. Por exemplo, promova o contacto com brinquedos musicais.

Fonte: 
Maria José Fernandes – Psicóloga Clínica (Coordenadora da Área de Psicologia de Saúde do Hospital de Faro, E.P.)
Joana Gomes - Psicóloga Clínica